quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

"Memórias de um Porteiro" (Livro de Denival Matias)



* Por Danilo Cerqueira

Há mais ou menos um ano, um colega (de Letras) de escrita colocou um livro em minha mão: Memórias de um Porteiro. Esse livro apresenta a trajetória de um jovem porteiro (mas também portador) que, depois e muitos problemas de ordem social, profissional e amorosa na vida, enfrentados desde a infância, encontra uma garota e vive uma história de amor... E a confessa para nós.

Eu disse, entusiasmado com a publicação, que faria um texto para divulgar o trabalho no blog da revista (um exercício de crítica-resumo-resenha literária).

Cito algumas passagens do livro que me chamaram a atenção:


Esse mistério é tão extenso que chega à eternidade. E nós, poetas do amor, vamos permitindo que ele se apresente de várias formas nos vários indivíduos que vivem mergulhados nesse bosque florido que é o amor. (p. 24).

[...] a vida é uma mala que arrumamos dia após dia [...]. (p. 31).

- E eu vou enlatando tudo que absorvo, do nascer ao pôr do sol. (p. 75)

Enquanto elas acham isso de mim, vou tecendo minhas virtudes em meus sonhos e fico encoberto por elas. A minha história servirá de exemplo para aqueles que procuram agir com responsabilidade e amor. Neste momento a morte não faz nenhum sentido, e sonho em chegar aos oitocentos anos. A ciência se multiplicará, e descobrirá a fórmula o rejuvenescimento. Com isso regenerando e gerando todas as células do nosso corpo. Assim terei muito tempo para expressar o meu sentimento, minha alma, meu ser ignorante.
São mais de quinze anos de construção, e se estenderá à eternidade. Quando os sonhos cessarem aqui, os celestiais continuarão premiando minha alma transformada. E enquanto a eternidade não chega, vou edificando minhas palavras em versos, que por sua vez edificam uma história. (p. 76).

Por dez anos andei entre os devaneios de adolescentes, nesse caminho que eu parecia estar perdido. A poesia que foi o meu alimento quase sempre, em alguns momentos era só o que eu tinha de companhia. Ver tanto e casa instante sentir-me tão longe de viver uma história que fizesse parte de tudo aquilo. Todos passavam por mim, mas só alguns faziam parte do meu viver, que avassalava toda a minha vida. (p. 89).


Gostaria de destacar alguns pontos do romance:

* Personagem e narrador se confundem com o porteiro (ou seria portador) do(s) adolescente(s), coerente com o texto apresentado ao leitor;
* O uso do gênero carta no romance marca de maneira sensível o perfil da maioria das personagens e do porteiro, intensificando o tom confessional, marca de todo o texto;
* O bom capítulo VI, com o retrato escrito do narrador-personagem e da proposta tramada pelo texto em função da ambientação e construção das personagens.

O livro representa uma fase. Talvez seja lido apenas uma vez, mas lido e vivido (vívido, vividamente) em alguma fase da vida. A trajetória segue (e certamente escreve) talvez em pautas de uma folha de almaço (popularmente e notadamente conhecido como papel pautado), tipicamente utilizada na infância ou adolescência, na escola, tal como a principal ambientação. As aventuras descritas com puerilidade e exacerbação, entre a aspiração à técnica e a insurgência da emoção, deixam, no tempo de leitura, o tempo da adolescência, com seus momentos intensos a saborosos, com inocência e altruísmo infantis, e até piegas, mas exatamente na medida em que o conjunto do texto parece exigir para sua coerência romântica, de origem e de aprofundamento no mundo interior dos sentimentos, de seu típico alheamento da realidade externa à lógica e ao pragmatismo contemporâneos. Assim, o enfoque na origem, seja ela existencial, religiosa, espiritual, social ou sentimental, é fomentadora de um efeito de leitura que, se é fácil de ser esquecido e até criticado negativamente, pode ser reconsiderado com um despretensioso acesso às próprias lembranças.

Parabéns a Denival... Um livro que, como este texto, foi (semente e) fruto de lembranças, para ser vivido, emocionado, lembrado, pensado, escrito e lido - em ordem nunca essencial para o leitor.



*Danilo Cerqueira cursa o Mestrado em Estudos Literários na UEFS.

Um comentário:

  1. Agradeço imensamente a Equipe Graduando, em especial ao olhar clínico do meu Amigo Danilo pela "fotografia" do meu livro neste texto. Muito obrigado pelo espaço. Abraços bem abraçados

    ResponderExcluir

As mais visitadas postagens da Graduando

Graduandantes