quarta-feira, 29 de novembro de 2017

REPRESENTAÇÃO DO AMOR E SEU VALOR SOCIOCULTURAL NO ROMANCE "O PRIMO BASÍLIO "

Por Paloma Virgens Santiago*

No livro intitulado O Primo Basílio, o Eça de Queiroz, faz diversas críticas sociais, critica a sociedade burguesa, a formação da mulher portuguesa, a instituição casamento e procura quebrar a ideia de casamento por amor. Na época em que se passa a história, século XIX, as mulheres possuíam uma educação voltada somente para leitura de livros selecionados pelos pais, professores ou maridos.

Até meados do XIX, grande parte da população que tinha acesso à língua escrita era dotada apenas da capacidade de leitura, uma vez que os aprendizados da leitura, da escrita e do cálculo eram feitos em momentos dissociados e sucessivos (cf. Roche, 1996; Viñao Frago, 1999; Chartier, 2001; e Magalhães, 1994). Ser capaz de ler e incapaz de escrever era uma situação muito comum para o modelo de formação feminina. A capacidade de escrever confere ao seu detentor um poder simbólico e permite, ainda, a comunicação secreta, pessoal e possibilita uma independência "perigosa". (MORAES, CALSAVARA, SILVA, 2006) 

Além disso, eram educadas religiosa e obrigatoriamente. Para serem aceitas na sociedade e garantirem a sobrevivência, precisavam se casar. E foi o que Luíza e Leopoldina, personagens do livro, fizeram. Assim, Luíza casou-se com Jorge, para garantir a própria sobrevivência e a da mãe. Leopoldina também deixa isso bem claro, que não se casou por amor, referindo-se ao seu marido com palavras que expressam escárnio, nojo.

Antes da chegada do primo, Luíza era considerada pela sociedade da época uma boa esposa, possuía empregadas e uma vida confortável; porém, era solitária, tendo em vista que o marido passava a maior parte do tempo viajando. Descreve Jorge, seu marido, como homem ideal, não havia do que reclamar. Entretanto, pode-se perceber que Jorge a prendia muito e a tratava como uma criança, que não podia expressar as próprias opiniões, ter amizades próprias, e criticava sua amizade com Leopoldina, temendo que ela pudesse influenciar Luíza por conta do estilo de vida que levava, um estilo muito à frente do seu tempo, poderia ser considerada uma mulher com ideais feministas, que ama intensamente e vive amores proibidos, nunca foi feliz em seu casamento. Por conta da sociedade e dos valores morais que eram impostos, na época Leopoldina era considerada uma mulher vulgar. Levando em conta os aspectos supracitados, podemos perceber a crítica do casamento por amor, observando que ambas as personagens possuíam interesses em casar, influenciadas, é claro pela, pela realidade vivida por elas na época.

Após a chegada do primo de Luíza, a visão que a sociedade “lisboeta” possuía sobre ela cai por terra e ela passa a ser vista de forma diferente por todos, começam a comentar sobre as suas saídas e encontros com o primo. Luíza vê Basílio como o “Don Juan” que vê nos livros, sendo contaminada pela leitura. A partir daí, percebe-se a visão do autor que apresenta Luíza como uma mulher de ideais frágeis, completamente débeis e que podem ser facilmente corrompidos por conta de leituras e amizades. O autor expõe a figura feminina ao ridículo, mostrando que ela pode ser facilmente enganada. Eça de Queiroz traz sua cosmovisão, ou seja, o conjunto de opiniões que ele possui sobre a sexualidade feminina, sobre o papel da personagem como esposa e sobre a postura de fidelidade que a mulher tem que possuir no casamento. Em nenhum momento o autor diz que Jorge trai Luíza, porém, dá a entender que, em suas viagens, ele se envolve com mulheres. Entretanto, o personagem não é visto de uma forma ruim pelo autor. A culpa do adultério recai para a mulher, que deve ser sempre submissa ao marido.

Segundo a ficha de leitura encontrada no livro, o autor ataca a instituição casamento e mostra que a sociedade sempre será doente, tendo em vista que o casamento seria a raiz de uma sociedade, o início de uma família e nele já havia corrupções, mentiras, enganações. Fica bem claro também que isso não acontece apenas no casamento da personagem Luíza, mas também no casamento da personagem Leopoldina, já que a mesma não amava o marido e vivia paixões com intuito de descobrir um grande amor.

Típico romance de tese, o Primo Basílio critica a burguesia lisboeta, mais precisamente o ambiente doméstico de uma família burguesa de Lisboa. A obra faz a ‘’análise do casamento como núcleo de tal sociedade a provar que a corrupção do todo começa por ali, já que o casamento constituía a estrutura básica do sistema burguês. O adultério, consequência natural desses casamentos, faz-se lugar comum em tal sociedade. (CIRANDA, 2008, p. 376) .

REFERÊNCIAS

QUEIROZ, Eça de. O primo Basílio. São Paulo: Ciranda cultural, 2008.

CALSAVARA, Eliane de Lourdes; Morais, Christianni Cardoso; SILVA, Gisele Elaine da. Leituras “corretas” para mulheres “ideais”: educação moral do “bello sexo” para instrução da família e formação da pátria no século XIX. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC, 10, 2006, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, RJ, 2006. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2017.

* Graduanda em letras com inglês pela Universidade Estadual de Feira de Santana – Departamento de letras e artes. E-mail: palomavirgens2015@gmail.com

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

2017.1: A(S) FORMATURA(S) EM LETRAS NA UEFS

Por Danilo Cerqueira*


Hoje fui para a mais uma formatura de Letras da UEFS. Sim, assim mesmo, a mais uma. E isso significa que foi uma cerimônia de formatura singular, além de, claro, única. Grandemente significativa. Cheguei atrasado, e isso, de certa forma, também já a transforma, para meu olhar, em incomum. Para surpresa talvez de muitos dos muitos em excesso presentes no espaço, formavam as quatro licenciaturas do curso de Letras da UEFS. Isso também torna a formatura bastante especial por alguns pontos de vista.

Em meio às dificuldades institucionais do(s) contexto(s) estadual(is) e nacional(is), provavelmente essa configuração de formatura, tradicionalmente articulada em duas, apresentou-se num cerimonial de colação de grau único. Único, em certo sentido, também é o curso que representa: os graduandos, agora licenciados, vivenciaram mais uma experiência/consciência de grupo, fundamental em sua formação acadêmica e social. Ela se estenderá dos atuais aos futuros grupos, escolares ou de quaisquer atividades, e se confirmará na formação coletiva e representativa de uma profissão, do exercício inegável de ser cidadão, de ser com o outro. Tal condição e situação são compartilhadas — sentidas positiva ou negativamente, pensadas ou não pensadas — por muitos iguais nesta condição, que precisam de companhia para crescer e suportar a sucessão dos dias e das experiências boas e ruins, do que se vive e sobre o que se aprende no viver. Eu estive na referida formatura, vi e pensei, senti e por isso estou escrevendo, por isso creio e, em parte, estou vendo novamente, por meio deste texto.

Dentre as coisas que me chamaram a atenção, em meio ao grandíssimo número de pessoas e de formandos do dia, foi que, dentre os homenageados da turma, estava a pessoa que, dentre atividades cotidianas de seu trabalho, providencia a fotocópia de material didático das disciplinas do curso, a conhecida xerox. Surpresa a minha saber que se estava homenageando justamente a trabalhadora ligada ao curso de Letras, em bela homenagem. Esse acontecimento, em relação aos materiais de estudo parcialmente fotocopiados para estudo no curso, deixou-me a ideia bastante substantivada de que presenciava algo novo. “As coisas estão mudando”, comentei comigo (não contive o pensamento) e com outros depois que saí do Auditório Central da UEFS. O espaço, definitivamente, se concordei algum dia com os que lhe atribuíam o adjetivo de elefante branco, jamais será lembrado por mim como tal a partir hoje.

Ouvi, conquistado pelas palavras, um discurso de formatura em Literatura de Cordel. Lindo, bem lido, bem escrito, bem emocionante! UEFS, governo, cotidiano, perfis, relações e relacionamentos foram postos à prova e ao crivo de letras, palavras e frases que pareciam espelhadas, nas quais formandos e formados se refletiam, com autocrítica e autolouvor, personificados no elogio do Magnífico Formado (licença para a neológica forma de tratamento). Espero um dia ter o cordel novamente para lê-lo ou ouvi-lo, pois as palavras soam atuais e universais, falando da realidade dos formados a partir das gerações de formandos que os precederam (e dos que virão também), da qual tantos de seus conhecidos e até amigos fazem parte. As palavras do cordel provocaram, junto com os demais acontecimentos da cerimônia, uma conjugação de sentidos e articulações de perspectivas históricas e representativas, actanciais e repletas de uma esperança que entusiasmava o público, mesmo com o número enorme de pessoas que estava em pé, relativamente cansados, e ouvindo impropérios por estar à frente de outras pessoas, como eu.

Ah, público. Decorrente das quatro graduações, juntas nunca ou raramente em uma formatura, tal contingente de pessoas, de cidades e perfis diversos, como é típico (histórico) do curso, mostrou-se de uma variabilidade exótica e, até certo ponto, divertida. Exacerbações e excessos em gestos e sons, acenos e comentários, fizeram-se presentes, sentidos e, claro, comentados. Alguns despropósitos que, contextualizados e compreensíveis, nada mais eram do que a expressão verdadeira de um grupo em visita, rara ou primeira, a um lugar desejado por seus ou suas parentes, num misto de felicidade e satisfação, ou até, por motivações outras e por que não, também de estranhamento.

Creio que a representação de um curso, com todas as suas nuances e características quanto à repercussão de suas ações passadas, presentes e futuras na sociedade, pôde ter seu ápice de compreensão em eventos como esse. Não me lembro de uma cerimônia reunindo tantas graduações na referida universidade (4). Isso, também creio e proponho para pensar, aumenta a ideia de uma resposta para as perguntas “Quem somos?”, “De onde /Do que faço parte”, “Quem eu represento?”, “Quem me representa?”, “O que se vê sobre o que faço?”. Todas as perguntas elencadas aqui, e tantas outras que o leitor pode ter incluído ao lê-las, podem ajudar a melhorar a autopercepção de nossa realidade, a mais próxima possível, para que, a partir dela, possamos reafirmar nossos laços sempre construídos, em muitos casos sofridos, mas necessários e sempre imprevisíveis em momentos cada vez mais únicos em nossos dias de vida.

Eu estive lá, e confesso: não pensei tudo isso apenas lá. Pensei e penso um pouco assim todos os dias. Assim ideias se formam e se confirmam de acordo com a experiência de vida, e se completam a cada momento, com leituras, escutas, observações, vivências em que estamos com todos os sentidos, com a nossa disposição para sentir e pensar mais ou menos. O processo formativo de outras pessoas fazer de parte de nossa vida é intrínseco, indissociável ao exercício docente da licenciatura, mas também o é, em parte, do bacharelado, da docência sem contracheque, da discência sem diploma, do aprender, do viver. Tudo isso faz parte da formação do ser e do saber em nós, que nunca termina, que nunca se interrompe... continua sempre no outro, como certa reciprocidade em forma de palavra, leitura e escuta.


* Danilo Cerqueira é licenciado em Letras, além de especialista e mestre em Estudos Literários, todas as graduações pela UEFS; é professor da rede estadual de educação da Bahia; também é membro do conselho editorial da revista Graduando: entre o ser e o saber.

As mais visitadas postagens da Graduando

Graduandantes