terça-feira, 25 de dezembro de 2012

PLANEJAR É COMPLICADO ENQUANTO NÃO COMEÇA

Por Wellington Gomes de Jesus*


Pequenas atitudes produzem grandes feitos, diz uma máxima popular. Não é de hoje que o senso comum interfere, na maior parte das vezes, de maneira positiva em nosso cotidiano. Especificamente, aquela máxima nos lembra uma atitude que, embora realizada a todo o momento, pouco atentamos para a sua importância em nossas vidas, o ato de planejar. O plano mais simples pode garantir um resultado muito melhor do que o esperado.
Planejar serve para economizar e distribuir satisfatoriamente o tempo de que dispomos. Durante esse processo, vamos descobrindo o que verdadeiramente queremos, vamos conhecendo os elementos, as necessidades e as dificuldades que precisamos suplantar. Se vamos ao supermercado e temos um orçamento apertado, por exemplo, costumamos dar preferência a gêneros mais baratos, independente de marca. A questão está em adquirir o necessário, e nada mais. Entretanto, necessidade e qualidade não precisam caminhar separadas. Para tanto, é preciso lançar mão de um bom planejamento.
Como o exemplo supracitado é uma realidade presente na vida da maioria dos brasileiros, o editor-chefe, on-line, para o Wall Street Journal, Alan Murray sugere algumas regrinhas para não se pagar mais caro por um produto do que ele realmente custa. Segundo ele, nunca se deve pagar o valor de tabela, pois é sempre bom barganhar algum desconto; recusar “vantagens”, porque volta e meia alguém oferece itens supérfluos que fazem grande diferença na hora de fechar a conta; não comprar por impulso, isto é, ponderar se a obtenção de determinado bem ou serviço é de fato necessário e, por fim; mudar – ou ameace mudar, ser levado pela opinião e poder de consumo dos outros pode nos levar a situações bastante desagradáveis.
Aprendemos que é preciso “correr atrás”, produzir, conquistar. E muitas vezes temos empreendido essas ações a qualquer custo sem métodos ou critérios. Até mesmo sair do quarto para a sala é indispensável dar passos sequenciados, pegarmos uma carona nos braços de alguém, usar um skate, uma patinete entre outros; quase sempre estamos precisando de um método, uma técnica ou um material para melhorar as nossas práticas diárias. Talvez seja difícil para nós pensar em planejamento porque, quase nunca, conversamos a respeito do assunto nas escolas, no ambiente familiar e também entre amigos. Administrar o tempo, dinheiro, família, estudos se tornou um grande vilão de nossos tempos.
Planejar exige cautela, atenção e bastante força de vontade. O professor de Administração e escritor, Jean Souto considera que “o processo de planejamento é a principal ferramenta que as pessoas e as organizações utilizam para lidar com as incertezas do futuro”. Assim, antes de julgar a sua área de trabalho saturada, ultrapassada procure verificar o que está ocorrendo para a falência da mesma e se não são as suas expectativas que, buscando nos sucessos de outras áreas o que também é abundante na sua, não enxergam as oportunidades latentes a sua volta. O escritor e executivo T. Harv Eker comenta que “o principal motivo que impede a maioria das pessoas de conseguir o que quer é não saber o que quer”. Por isso, planeje uma estratégia de se unir aos mais bem-sucedidos de sua área, à qual já possui experiência, habilidade e espontaneidade. Os professores Francisco José Masset Lacombe e Gilberto Heilborn resumem o ato de planejar como “decidir antecipadamente o que, como, quando e onde fazer para se chegar a um objetivo (ou alguns deles)”, por isso, Jean Souto lembra que “quanto maiores forem os impactos das decisões tomadas hoje, mais tempo será necessário para o planejamento”. 
Uma ótima dica para começar qualquer plano é atentar para a palavra hierarquia, procurando conhecê-la e dominá-la, conceitual e fisicamente. Depois disso, planejar se torna menos complexo, mais dinâmico e prazeroso, fugindo às armadilhas do provérbio japonês que adverte “visão sem ação é sonho, ação sem visão é pesadelo”.   



REFERÊNCIAS E LEITURAS SUGERIDAS

EKER, T. Harv. Os segredos de uma mente milionária. Rio de Janeiro: Sextante, 2010.
MURRAY, Alan. É melhor pesquisar os preços: você pagará caro se ignorar essas regras. Seleções: Reader’s Digest, set. 2001, p. 95-98.
LACOMBE, F.J.M; HEILBORN, G. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2003.
MAXIMIANO, A.C.A. Introdução à administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
SOUTO, J. M. Técnicas de gestão. Indaial, SC: Asselvi, 2006.

CURSO

*Wellington Gomes de Jesus é graduado em Letras com Espanhol pela UEFS, cursa especialização em Estudos Linguísticos na mesma instituição e é membro do Conselho Editorial da Revista Graduando.

4 comentários:

  1. Parabéns, Wellington!!!
    Texto lindo e pertinente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom você haver gostado. Muitíssimo obrigado pelo comentário.

      Excluir
  2. Este é meu Hermano, vc broca!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tanto quanto você, Hermanito. Você quem é o Homem das LeTrAs. Um abraço forte, e muito obrigado por comentar.

      Excluir

As mais visitadas postagens da Graduando

Graduandantes